Artigos

Confira artigos e conteúdos relevantes para ajudar no seu dia a dia

Aprenda um pouco sobre disfunção erétil

A disfunção erétil é doença prevalente e afeta mais da metade dos homens com idade superior aos 50 anos. Com o envelhecimento, o homem passa por uma série de transformações decorrentes da diminuição progressiva do nível circulante do hormônio masculino: a testosterona. Esse processo é conhecido como andropausa e o conjunto de seus sintomas como DAEM (Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino). Os principais sintomas do DAEM são: desânimo, perda de disposição para o trabalho, irritabilidade, perda da libido (desejo sexual) e disfunção erétil. Além da diminuição da testosterona circulante, muitos outros fatores podem contribuir para a piora no desempenho sexual. Podemos dividi-los basicamente em duas classes: agravos orgânicos e psicológicos. Relacionados ao primeiro, os principais são: o sedentarismo (falta de atividade física regular), hipertensão arterial (pressão alta), hipercolesterolemia (colesterol elevado), diabetes e doenças neurológicas. Quanto às causas psicológicas, temos principalmente o estresse decorrente de dificuldades financeiras, má qualidade do sono, atritos nas relações de trabalho ou conjugais.
A primeira atitude a ser tomada nos casos de disfunção erétil é perder o preconceito e procurar o quanto antes o Urologista. Além da rotina de próstata, composta pelo toque retal e dosagem do PSA, é aconselhável um check-up geral com exames básicos, como dosagem dos níveis de colesterol, glicemia de jejum (para detecção precoce do diabetes), hemograma e aferição da pressão arterial. A dosagem de testosterona também deve ser realizada nos homens com queixa de disfunção erétil ou sintomas de DAEM e a reposição indicada nos casos de níveis abaixo dos valores de referência.
Nos casos em que medidas comportamentais não são suficientes para reverter a disfunção erétil, temos no mercado uma variedade de medicamentos para facilitar a ereção. As estruturas moleculares são semelhantes e a escolha de cada um irá variar de acordo com a adequação do paciente e opção pessoal do médico. As principais marcas disponíveis no mercado são o Viagra, Ciallis, Levitra e Heleva. Barreiras para aquisição dessas medicações são principalmete o preço e o preconceito. Quanto ao preço, boa notícia: com a recente queda da patente do Viagra, já pode ser encontrado no mercado produtos com o mesmo princípio ativo (sildenafila) com preços que em geral não ultrapassam R$10,00 cada comprimido. O preconceito também está sendo abandonado, visto os grandes benefícios trazidos pela medicação. É importante o homem conhecer os principais efeitos colaterais: taquicardia (batimentos cardíacos acelerados), rubor facial (vermelhidão na face), cefaléia (dor de cabeça) e congestão nasal (nariz entupido). A única contra-indicação absoluta são para os pacientes que usam medicamentos da classe dos nitratos, devido ao sério risco de hipotensão grave. No último dia 15 se setembro, foi lançada a medicação para disfunção erétil de uso contínuo, ou seja, para ser tomada todos os dias. Trata-se do Ciallis de 5mg. Espera-se com a dose diária, maior espontaneidade nas relações sexuais com os mesmos resultados. O custo mensal desse tratamento será em torno de R$280,00. Lembre-se, antes de tomar qualquer dessas medicações consulte seu Urologista. Para os casos em que a terapêutica oral (comprimidos) falha, temos ainda as medicações injetáveis e as próteses penianas.
Fica como mensagem final: a saúde sexual depende da saúde global e a saúde sexual pode influenciar sobremaneira na saúde global. Portanto, fica evidente que não há motivos para preconceito. Procure seu Urologista, faça seu check-up e exponha seus problemas. Homem que se cuida vive mais e não perde o melhor da vida.

mais artigos relacionados