Artigos

Confira artigos e conteúdos relevantes para ajudar no seu dia a dia

Noctúria: Onde estamos, para onde vamos

Noctúria, de acordo com a terminologia da International Continence Society (ICS)1, consiste em levantar-se uma ou mais vezes à noite para urinar. Muito tem se falado sobre qualidade de vida e noctúria. Estudo recente mostra que a qualidade de vida passa a ser afetada em indivíduos que apresentam maaonis de duas micções por noite.2 Uma visão simplista pode dificultar, e muito, o tratamento desse sintoma. Se pensarmos apenas nas causas mais comuns (aumento do volume prostático e síndrome da bexiga hiperativa/hiperatividade detrusora), nosso objetivo único será aumentar a capacidade de armazenamento vesical. É preciso enxergar além. As causas relacionadas à noctúria podem ser classificadas em: 1. Redução da capacidade vesical noturna (pequenos volumes e freqüência aumentada); 2. Poliúria noturna (volume urinário noturno maior que 1/3 do volume urinado nas 24horas); 3. Noctúria mista (combinado dos itens 1 e 2); 4.Poliúria diurna (volume urinário nas 24horas superior a 40mL/Kg/dia 2800mL em indivíduo de 70kg). Fica evidente que para o tratamento adequado faz-se necessário o diagnóstico preciso. As principais ferramentas para o diagnóstico são a anamnese detalhada (comorbidades, medicações em uso, hábitos de vida) e o diário miccional. O tratamento deve ser multifocal. O primeiro passoconsiste no tratamento comportamental (diminuição da ingesta de substância irritativas vesicais, como cafeína e álcool; além da redução da ingesta hídrica duas horas antes de deitar-se para o sono noturno). Os alfa-bloqueadores têm papel importante nos pacientes em que o fator prostático existe. Trabalhos mostram uma redução de até 60% nos episódios de noctúria.3 No entanto, são poucos os trabalhos utilizando alfa-bloqueadores com foco específico para noctúria. Anticolinérgicos para tratamento estrito da noctúria ainda não tem papel bem definido na literatura.4 Destacam-se nos pacientes com baixa capacidade vesical noturna (hiperatividade detrusora, por exemplo). Também já está estabelecido que 62% dos pacientes com Síndrome da Bexiga Hiperativa apresentam poliúria noturna e que a resposta com o anticolinérgico isolado é precária.5Diuréticos devem ter sua administração muito controlada, pois podem atuar pró e contra, dependendo da posologia. Quando administrados pela manhã (uso mais comum), aumentam a ingesta hídrica diurna levando a piora da noctúria. Em geral, reduzem os episódios de noctúria quando administrados seis horas antes dos pacientes deitarem-se. A desmopressina, sem dúvida, possui papel de destaque. Apresenta bons resultados tanto nos casos de poliúria noturna quanto noctúria mista. Um estudo em 94 paciente com duas ou mais micções noturnas utilizou doses tituladas variando de 0,1 a 0,4mg por três semanas + quatro semanas com a dose estabelecida e mostrou uma redução no número de micções na média de 3,2 para 1,34; aumento no tempo da primeira micção após deitar-se de 118,4 para 220minutos. Ambas as variações apresentaram significância estatística levando a melhora na qualidade do sono.6 Alguns cuidados devem ser tomados na administração da desmopressina: pacientes com insuficiência cardíaca congestiva, polidpsia primária, cirrose hepática. O maior risco relacionado é o de intoxicação hídrica relacionada à hiponatremia e congestão cardíaca. A droga já está no mercado há mais de 30 anos. Então o que há de novo? Destaque está sendo dado para as terapias combinadas: alfa-bloqueadores + desmopressina; anticolinérgicos + desmopressina; alfa-bloqueadores + anticolinérgicos + desmopressina. Com isso espera-se enxergar o homem “além da bexiga e da próstata”, traçar melhores estratégias de tratamento com ênfase na melhora global da qualidade de vida.

Referências

  1. The Standardization of Terminology in Nocturia. Van Kerrebroeck P. , Neurourology and Urodynamics, 00:179-183, 2002
  2. Importance of nocturia and its impacto n quality of sleep and quality of life with benign prostatic hyperplasia. Fernández H, Actas Urol Esp, 31(3):262-9, 2007
  3. Safety and efficacy of alfuzosin 10 mg once-daily in the treatment of lower urinary tract symptoms and clinical benign prostatic hyperplasia: a pooled analysis of three double-blind, placebo-controlled studies. Roehrborn, CG, BJU 92(3):257-61, 2003
  4. Pharmacotherapy for nocturia in the eldery patient. Alplund, R., Drugs Aging 24(4): 325-43, 2007
  5. Nocturnal polyuria and nocturia relief in patients treated with solifenacin for overactive bladder symptoms. Brubaker, L. Int Urogynecol J Pelvic Floor Dysfunct, 18(7): 737-41, 2007
  6. Desmopressin is an Effective Treatment for Mixed Nocturia with nocturnal Polyuria and Decreased Nocturnal Bladder Capacity. Lee H. J Korean Med, 25: 1792-97, 2010

mais artigos relacionados